outubro 17, 2018

Comunicação Não Violenta

by Ser Presente in Artigos

Quando a interação do casal está marcada por reprovações e críticas mútuas, a presença de sofrimento e conflitos é constante. A comunicação é uma grande ferramenta, que pode beneficiar nossas relações ou destruí-las.

 

Precisamos olhar com cuidado para a forma que expressamos nossas necessidades para o outro, para que o meu pedido possa ser entendido sem que o outro se sinta acusado ou agredido.

A Comunicação Não Violenta – CNV, criada por Marshall Rosenberg, é uma ferramenta que possibilita uma verdadeira conexão entre as pessoas, facilitando a superação de dificuldades no diálogo de casais.

Mais do que melhorar a comunicação, a proposta é um resgate da conexão, do sentimento de se importar verdadeiramente com o parceiro e sentir que ele também se importa com você.

A CNV pode contribuir para isso, já que ela aumenta o nosso senso de observação e nos possibilita identificar os comportamentos e as situações que nos afetam. Quando formulamos claramente o que queremos, facilitamos a compreensão do outro a respeito das nossas necessidades.

Se você gostou da proposta, e gostaria de melhorar a sua relação, confira alguns passos para iniciar sua prática!

1 – Diferencie observação de avaliação

Aprenda a descrever claramente a situação da qual deseja falar, tente formular suas palavras sem qualquer tipo de avaliação ou julgamento, somente com observações dos fatos, de forma específica, sem generalizações. Dizer por exemplo, “Você não se importa mais comigo!”, poderia ser substituído por, “Nas ultimas duas semanas você tem chegado após as 22 horas, e não temos mais tido tempo para conversar, sinto falta de termos este momento, pois ele é importante para mim”.  Qual das duas formas de comunicação possibilitaria uma maior abertura e compreensão do parceiro?

2 – Identifique e expresse seus sentimentos

Quando identificamos nossos sentimentos e compartilhamos com o parceiro, sem julgamentos, oferecemos uma oportunidade de compreensão do quanto a questão é importante para nós. Em vez de dizer “Parece que vivo com uma parede!”, poderia ser dito “Quando compartilho algo com você e você não diz nada, me sinto ignorada, isso me deixa triste e algumas vezes até com raiva”.

3 – Reconheça a necessidade que está na origem dos sentimentos

Quanto maior for a nossa percepção da conexão dos sentimentos com nossas necessidades, maiores serão as chances de sermos compreendidos. A CNV considera que nossos sentimentos não são causados pelo outro, nós somos responsáveis pelo que sentimos, o outro pode ser apenas um estímulo. A origem dos sentimentos está relacionada a uma necessidade que está ou não está sendo atendida. Dizer “Estou decepcionada porque você disse que faria aquilo e não fez” não é tão claro quanto “Quando você disse que faria aquilo e depois não fez, fiquei decepcionada, porque eu gostaria de poder confiar em sua palavra”. A necessidade não atendida de confiança é que provoca o sentimento de decepção.

4 – Peça o que quer e não o que não quer

Utilize uma linguagem positiva ao fazer pedidos, com objetividade e clareza. Se uma esposa deseja maior tempo com o marido e faz um pedido dizendo “Você tem trabalhado muito, deveria reduzir suas horas de trabalho”, o marido pode não compreender e tomar uma decisão comunicando no dia seguinte a esposa “Vou reduzir meu tempo de trabalho a partir de amanhã, vou me encontrar com os amigos para jogar bola todas as quintas”.

A CNV pode facilitar a comunicação em todas as relações humanas, entre casais, com os filhos, entre familiares e nas relações profissionais. Ela implica em um processo de autoconhecimento, que pode ser potencializado pelo processo de psicoterapia.

Se deseja maiores informações sobre a CNV ou a Psicoterapia, entre em contato com a Ser Presente Psicologia Humanista, consultório de psicologia formado pelo casal de psicólogos Daniel e Raquel.